Atendimento:
(17) 3281-1285
PROCEDIMENTOS

Nariz
Nariz - Procedimentos - Clnica Lopes Ferraz - Olmpia-SP

Correção cirúrgica do nariz longo
O nariz longo tem sido um grande desafio para o cirurgião plástico, desde o início das cirurgias de rinoplastia (cirurgia plástica do nariz). Em nossa cultura que tanto valoriza as características mais ligadas à juventude, o nariz longo é tido como um estigma do envelhecimento. Mas, o que é considerado um nariz longo? Muitas foram as publicações científicas sobre este assunto. Os melhores estudos, e de fácil reprodução são aqueles que determinam a extensão nasal ideal baseando-se nos parâmetros nos terços faciais médio e inferior. Estas medidas são facilmente feitas à partir de fotografias em tamanho real, como também podem ser feitas diretamente no paciente.

Dessa maneira, assumindo proporções faciais normais, a extensão nasal ideal é de 0,67 X altura facial média que é a medida desde o início da testa (glabela) até  o plano da base alar (base do nariz). A extensão nasal ideal também deveria medir aproximadamente a mesma distância do ponto entre os lábios até o queixo (mento). Além do nariz realmente longo, devemos lembrar que existem alterações que podem levar à uma falsa impressão de um nariz longo. Isso pode ocorrer por exemplo quando o início do dorso do nariz se inicia muito próximo ao final da testa, como nos narizes que podemos visualizar em estátuas greco-romanas; assim como nos pacientes que possuem uma ponta nasal baixa ou um dorso nasal escessivamente curvo.

Outras causas incluem a deficiência de apoio para a ponta nasal (incluindo as de origem traumática) e o hipercrescimento do septo nasal. Como podemos observar as causas de um nariz longo são variadas e de etiologias muito distintas, assim seu tratamento deve ser precedido de uma análise criteriosa dos defeitos presentes para que só então possa ser feito um planejamento cirúrgico adequado para cada caso. Essa adequação do tamanho do nariz às proporções faciais devolve a harmonia à face que é o nosso principal meio de interação social.

Ponta Nasal Baixa
A sustentação da ponta nasal é dependente de várias estruturas. Essas estruturas vão desde seu alicerce na maxila e espinha nasal anterior, até o septo ósseo-cartilaginoso, ligamentos e cartilagens. Devido à fatores genéticos, presentes desde o nascimento, trauma ou o próprio envelhecimento, essa ponta nasal pode apresentar queda e comprometer a harmonia e estética nasal. Uma queixa muito freqüente em consultórios, de Cirurgia Plástica, quando o assunto é nariz é a ponta nasal baixa. A ponta baixa é evidente já à observação clínica, e o próprio paciente na maioria das vezes já fez seu diagnóstico antes mesmo da procura por um cirurgião plástico. Mas qual o posicionamento correto dessa ponta, em posição ela deveria estar? O consenso hoje varia para homens e mulheres, sendo o parâmetro mais importante para a avaliação o ângulo nasolabial; o ângulo formado entre maior eixo do intróito narinário e o lábio superior.

Esse ângulo deve ser por volta de 90 graus para os homens e entre 90 e 110 graus para as mulheres. Perceba que para as mulheres um nariz com uma ponta levemente mais alta é aceito. A correção desta ponta nasal baixa necessita de cirurgia de rinoplastia que deve ser realizada em ambiente hospitalar com a presença de anestista e sob anestesia geral, para segurança quanto à aspirações. Existem muitas táticas cirúrgicas para à correção dos muitos problemas, que podem estar presentes isoladamente ou associados, essas incluem pontos de sutura entre as cartilagens, enxertos de cartilagens, ressecções parciais e controladas de segmentos de cartilagem, buscando um aumento do ângulo nasolabial. Se a cirurgia for restrita á ponta, o pós–operatório será bastante tranqüilo, podendo haver a necessidade do uso de tampão nasal durante as primeiras vinte e quatro horas.

São utilizados também antibióticos e analgésicos de rotina. A ponta nasal apresenta um edema pós–operatório um pouco mais prolongado, principalmente quando do uso de enxertos. Trata-se de um procedimento cirúrgico que devolve a harmonia da região central do terço médio da face, uma das áreas mais evidentes de nosso rosto.